O consolo de Deus na hora do luto


De todas as dores da vida, a dor do luto parece ser a mais aguda.

É uma dor que lateja na alma e assola nossa vida.


Todos nós, num dado momento da vida, teremos que enfrentar essa dor. Não existe nenhuma família que escape desse drama. 

Não é fácil ser privado do convívio de alguém que amamos. Não é fácil enterrar um ente querido ou um amigo do peito.

 Não é fácil lidar com o luto.

 A dor do luto dói na alma, aperta o peito, esmaga o coração e arranca lágrimas dos nossos olhos. 

Jesus chorou no túmulo de Lázaro e os servos de Deus pranteavam seus mortos. (João 11:35)

Porém, há consolo para os que choram. Aqueles que estão em Cristo têm uma viva esperança, pois sabem que Jesus já venceu a morte. Ele matou a morte e arrancou seu aguilhão.(1 Coríntios 15:56)

Agora a morte não tem mais a última palavra.

 Jesus é a ressurreição e a vida. Aqueles que nele creem nunca morrerão eternamente. (João 11:25)

Agora, choramos a dor da saudade, mas não o sentimento da perda.

 Perdemos quem que não sabemos onde está.

Quando enterramos nossos mortos, sabemos onde eles estão. Eles estão no céu com Jesus.

 Para os filhos de Deus, que nasceram de novo, morrer é deixar o corpo e habitar com o Senhor. É partir para estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor. Os que morrem no Senhor são bem-aventurados! (Apocalipse 11:13 a)

O fato de termos esperança não significa que deixamos de sofrer.

A vida não é indolor. Nossa caminhada neste mundo é marcada por dissabores, decepções, fraquezas, angústias, sofrimento e morte. Aqui cruzamos desertos tórridos, descemos a vales profundos, atravessamos pântanos perigosos.

Nossos pés são feridos, nosso coração afligido e nossa alma geme de dor.

Não estamos, porém, caminhando rumo a um entardecer cheio de incertezas.
O fim da nossa jornada não é um túmulo gelado, mas a bem-aventurança eterna.


Entraremos na cidade celestial com vestes alvas e com palmas em nossas mãos.

Celebraremos um cântico de vitória e daremos glória pelos séculos sem fim, ao Cordeiro de Deus, que morreu por nós, ressuscitou, retornou ao céu e voltará em glória para buscar sua igreja.

Teremos um corpo imortal, incorruptível, poderoso, glorioso e celestial, semelhante ao corpo da glória de Cristo.

Deus enxugará dos nossos olhos toda a lágrima. 

As lembranças do sofrimento ficarão para trás.

Na Nova Jerusalém, na Cidade Santa, no Paraíso de Deus, na Casa do Pai, não haverá mais luto nem pranto nem dor. (Apocalipse 21:4)


Ali reinaremos com Cristo e desfrutaremos das venturas benditas que ele preparou para nós.

Nossa tribulação aqui, por mais severa, será apenas leve e momentânea, se comparada com as glórias por vir a serem reveladas em nós.

O nosso choro pode durar uma noite inteira, mas a alegria virá pela manhã! (Salmos 30:5 b)


Três verdades essenciais do Cristianismo formam as colunas de sustentação da nossa viva esperança.

A primeira delas é que Jesus ressuscitou dentre os mortos e triunfou sobre a morte. Agora, a morte não tem mais a última palavra. A morte foi tragada pela vitória! (Marcos 16)


A segunda verdade é que Jesus voltou ao céu e enviou o Espírito Santo, o Consolador, para estar para sempre conosco. Não estamos órfãos. Não caminhamos sozinhos pelos vales escuros da vida. O Espírito Santo consolador está em nós e intercede por nós ao Deus que está sobre nós. (João 14:26)


A terceira verdade é que Jesus vai voltar gloriosamente para buscar sua igreja. Naquele glorioso dia, os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro e os que estiverem vivos serão transformados e arrebatados para encontrar o Senhor Jesus nos ares, e assim, estaremos para sempre com o Senhor. Essas verdades enchem o nosso peito de doçura e abrem para nós uma eterna fonte de consolação! (1 tessalonicenses 4:16,17)


Jerusalém

Fiel a mim

E se...




Deus te abençoe grandemente!



Fonte: www.materiasdeteologia.com

Resenha Base Liquida HD da Vult

 Olaaaa galerinhaaa blz?

Hoje eu trouxe um vídeo com a resenha bem rapidinha da Base da Vult com algumas fotos que eu tirei no evento que fui deles.

E também tem o corretivo que eu esqueci de mostrar no vídeo, #Sorry mais tem as fotinhos...









Beijossss

Deus abençoe 

Quer ter cabelos sedosos? Conhece a ampola de Chantily não?  Click aqui Ampola de Chantily

“Que papo é esse que devo perdoar quem me ofendeu?

Graças e Paz galera, blz?

Estava lendo um artigo do euescolhiesperar e mexeu muito comigo e me fez refletir sobre algumas atitudes erradas que eu tive, por impulso, mais hoje to curada! então quis compartilhar com vocês também.

“Que papo é esse que devo perdoar quem me ofendeu quantas vezes for necessário? 70x7?




Uma vez, quando questionado sobre quantas vezes deveríamos perdoar alguém, Jesus respondeu: “…até setenta vezes sete”. (Mateus 18.21-22) Em outras palavras, Cristo queria dizer que devemos perdoar quantas vezes for necessário. O “até” não expressa um limite. É justamente o contrário. O desafio de Jesus para nós é perdoarmos, sem levarmos em conta quantas vezes o fizemos.

Quando se trata do nosso relacionamento com Deus, mesmo que em algum momento tenhamos nos afastado Dele, Ele nos convida a chegarmos mais perto. Ele zera o placar. Deus não fica trazendo à memória aquilo que fizemos e que não O agradou. Ele perdoou e ponto final. Mas é certo, como a Terceira Lei de Newton diz, para cada ação há uma reação. O perdão não nos livra das consequências dos erros cometidos. E cá entre nós? Ainda bem! Caso contrário, jamais aprenderíamos algumas valiosas lições.

Em Sua arte de perdoar, Deus nos olha com Sua visão restaurada sobre nós. Mas quando o erro do outro me afeta, nem sempre é tão fácil olhar para ele de forma reiniciada, reformada. E aí, eu te pergunto: O perdão é bom apenas no reino das transgressões menores? Existe um limite? Por que não zeramos o placar?

Mais uma vez, Jesus responde com graça e sabedoria. Além de estabelecer o Reino de Deus aqui na terra, Cristo ainda nos lança mais um desafio: um novo mandamento. E esse consistia em “amar uns aos outros” (João 13.34-35). Até aí tudo bem, certo? Certo! Mas o Mestre vai mais adiante, “amem-se uns aos outros”, Ele diz, “como Eu os amei”. Espera aí, Jesus. Agora o Senhor pegou pesado!

“Que papo é esse que devo perdoar quem me ofendeu quantas vezes for necessário? E além disso devo amar como Jesus? ”. É isso aí. Você não leu nada errado. A única questão que nos impede de fazer tudo isso é a covardia. O amor de Jesus foi extravagante. Ele ofereceu brandura, quando todos os outros estendiam pedras de amargura. O Mestre demonstrou graça e misericórdia, e todos os outros ofertavam ódio e repugnância. E Ele nos convida a fazer o mesmo.

O perdão que Deus nos oferece é caro, porque fluiu da cruz. Nada a ver com esquecer, mas acabar com o ciclo da vingança. Perdão é um ato de vontade. O perdão é a única chave do beco sem saída, e nos leva a avançar para a reconciliação. Seguir os passos de Jesus é viver sob a ótica de justiça que Ele tem. Perdoar ao invés de julgar!

Somente pelo perdão é que alcançamos uma vida leve. O apóstolo Pedro nos lembra dessa missão: “Tende amor intenso uns para com os outros, porque o amor cobre uma multidão de pecados”. (I Pedro 4.8)


Vou deixar uma música pra edificar a sua vida!



Deus abençoe sua vida!


Fonte: Eu escolhi esperar


Quer ter cabelos sedosos? Conhece a ampola de Chantily não?  Click aqui Ampola de Chantily